• 1.1 O aborto no contexto Global
  • 1.2 Aborto medicamentoso
  • 1.3 Cuidados de aborto centrados na mulher
  • 2.1 Estabelecendo a gravidez e a idade gestacional
  • 2.2 Avaliação da elegibilidade
  • 2.3 Consentimento Informado
  • 2.4 Elaboração de um plano
  • 3.1 Decidir qual método administrar
  • 3.2 Como utilizar os comprimidos de aborto antes de 13 semanas: Mifepristone + Misoprostol
  • 3.3 Como utilizar os comprimidos de aborto antes de 13 semanas: Apenas o Misoprostol
  • 3.4 O que esperar
  • 3.5 Quando procurar cuidados médicos
  • 4.1 preparação e organização
  • 4.2 Decidir qual método administrar
  • 4.3 Como administrar pílulas de aborto entre 13 e 22 semanas: Mifepristone + Misoprostol
  • 4.4 Como usar comprimidos de aborto entre 13 e 22 semanas: Apenas o Misoprostol
  • 4.5 O que esperar
  • 4.6 Complicações
  • 5.1 Acompanhamento
  • 5.2 Contracepção no dia do aborto
  • 5.3 Saúde mental após o aborto
  • 5.4 Regresso às actividades de rotina
Lição 1: Uma visão geral do aborto

Lição 1: Uma visão geral do aborto



Este curso online é designado para treinar trabalhadores de ajuda humanitária em como fornecer com segurança medicamentos abortivos, ou o aborto com comprimidos.


1.1) O aborto no contexto Global

Abortos podem ocorrer espontaneamente, comummente conhecido como um aborto espontâneo, ou como resultado de uma intervenção deliberada, também conhecida como aborto induzido.

O aborto induzido é bastante comum. Estudos mostram que cerca de uma em cada quatro gestações terminam em aborto induzido.

Mulheres e raparigas em todo o mundo – de todas as idades, religiões, nacionalidades e classes sociais – abortam.

Estima-se que 56 milhões de abortos induzidos ocorrem em todo o mundo todo ano.

Cerca de metade desses abortos (31 milhões) são abortos seguros e cerca de metade (25 milhões) não.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), um aborto inseguro é a interrupção de uma gravidez ou:

  • por pessoas sem as competências necessárias, ou
  • em um ambiente que não está em conformidade com as normas médicas mínimas,
  • ou ambos.

Os exemplos de aborto inseguro incluem:

  • Utilização de ervas tradicionais
  • Beber substâncias tóxicas nocivas, tais como sabão ou cloro
  • Tomando incorrectamente diferentes medicamentos
  • Inserindo objectos perigosos como varas, raízes, agulhas ou vidro quebrado na vagina ou ânus.

O aborto inseguro é uma das principais causas de morte materna em todo o mundo, e a única causa é quase inteiramente preventiva.

Em alguns contextos, até 30% das mortes maternas são devidas a abortos inseguros.

De acordo com o Instituto Guttmacher, o aborto inseguro leva a pelo menos 22 800 mortes por ano;

  • outros 7 milhões de mulheres são hospitalizadas devido a complicações de abortos inseguros, tais como sangramento intenso, infecção, lesão no trato genital e órgãos internos.

Estas complicações também podem levar a consequências ao longo da vida, tais como infertilidade e dor crónica.

As mulheres com gestações indesejadas recorrem frequentemente a abortos inseguros quando não têm acesso a cuidados de um aborto precavido.

As barreiras de cuidados para um aborto seguro incluem leis restritivas, má disponibilidade de serviços, alto custo, estigma e requisitos desnecessários, tais como períodos de espera obrigatórios, aconselhamento obrigatório e testes medicamente desnecessários que atrasam os cuidados.

As mulheres que vivem em países de baixa renda, pobres e em ambientes humanitários, são mais propensas a ter um aborto inseguro.

97% dos abortos inseguros acontecem em países em desenvolvimento.

Na África e na América Latina, 3 em cada 4 abortos não são seguros.

O risco de morte por um aborto inseguro é mais alto na África.

De acordo com a OMS, os abortos são considerados seguros se:

  • a pessoa que fornece ou apoia o aborto seja treinada; e
  • o aborto seja realizado pela OMS - método recomendado, apropriado para a duração da gestação.

Os métodos recomendados pela OMS para um aborto seguro incluem:

    Aborto medicinal , ou um aborto com pílulas, que é o foco deste curso; e

    Aspiração Manual de vácuo , ou AMV, que é um procedimento ambulatorial simples que envolve a inserção de um tubo de plástico estreito no útero e a remoção segura do feto usando sucção.

Os métodos recomendados pela OMS para um aborto seguro incluem:

1.2) Aborto medicamentoso

No aborto medicamentoso, os comprimidos são ingeridos para fazer com que o útero se contraia e empurre para fora o feto em um processo que é semelhante a um aborto espontâneo.

O aborto medicamentoso é um avanço significativo nos cuidados de um aborto e tem muitas vantagens:

  • Não é invasivo e é muitas vezes visto como um processo natural.
  • Pode ser fornecido fora de, ou com visitas reduzidas a, um serviço de saúde.
  • Muitas vezes pode ocorrer na casa da mulher, permitindo mais privacidade e confidencialidade.
  • É altamente eficaz e muito mais seguro.

O risco de complicações graves com risco de vida é extremamente baixo (menos de 1%).

  • Não causa infertilidade nem afecta futuras gestações.
  • Não necessita de profissionais de saúde treinados cirurgicamente, instrumentos estéreis ou requisitos de higiene.
  • os comprimidos são de baixo custo e não requer refrigeração ou uma cadeia fria.

Por todas essas razões, o aborto medicinal expandiu o acesso a cuidados de abortos seguros para as mulheres em todo o mundo

  • especialmente em ambientes de baixo recurso e ambientes humanitários - e permitiu que as mulheres desempenhassem um papel mais importante em seus próprios cuidados.

As duas drogas envolvidas no aborto medicinal são mifepristone e misoprostol.

Mifepristone: O Mifepristone bloqueia a progesterona, o principal hormonio da gravidez.

O risco de complicações graves com risco de vida é extremamente baixo (menos de 1%).

  1. O feto se separa do interior do útero;
  2. O colo do útero se contrai e abre; e
  3. O útero é mais sensível ao misoprostol.

Misoprostol: O Misoprostol é uma prostaglandina que estimula o útero a se contrair e empurrar o feto.

O Misoprostol está disponível na maioria dos lugares e também pode ser usado para outros propósito, tais como induzir o parto, controlar a hemorragia após o parto, e tratar úlceras de estômago.

O Misoprostol é estável à temperatura ambiente, mas pode deteriorar-se rapidamente quando exposto a muita humidade ou alta temperatura.

Portanto, o misoprostol deve ser mantido em cartelas de alumínio duplo e armazenado em local arejado e seco.

1.3) Cuidados de aborto centrados na mulher

Os cuidados de aborto centrado na mulher se aproxima da pessoa que faz o aborto não apenas como paciente, mas como pessoa por inteiro, levando em conta o seu bem-estar físico, emocional e social e adaptando o cuidado às suas necessidades e circunstâncias.

As mulheres abortam por muitas razões diferentes.

A maioria das mulheres já pensou em suas opções e tomou a decisão de realizar um aborto antes de procurar cuidados.

A razão de cada mulher em acabar com uma gravidez é diferente e os provedores devem ser empáticos e sem julgamento, para a situação e decisão de uma mulher.

Os valores e atitudes dos prestadores de aborto, podem ter uma influência importante na forma como interagem com as mulheres que realizam abortos.

Estudos mostram que os encontros positivos com fornecedores empáticos e respeitosos, aumentam a satisfação das mulheres com seus cuidados, melhoram a probabilidade de que a informação seja compreendida e tornam as mulheres mais propensas a procurar cuidados de saúde no futuro.

Os prestadores de aborto devem reflectir continuamente e identificar seus próprios preconceitos subconscientes, a fim de tentar minimizar sua influência sobre os cuidados que prestam.

Para assegurar interacções positivas, os prestadores de serviços de aborto devem:

  • Garantir privacidade e confidencialidade
  • Falar de forma neutra e respeitosa
  • Ouvir atentamente
  • Fazer perguntas atenciosas e abertas
  • Usar linguagem simples, não técnica
  • Mostrar empatia e bondade com todas as mulheres em seus cuidados
Lição 2: Antes do aborto

Lição 2: Antes do aborto



2.1) Estabelecendo a gravidez e a idade gestacional

A maneira mais fácil e rápida de confirmar a gravidez na maioria das configurações, é um teste de gravidez simples por urina.

A maioria dos testes de gravidez por urina podem ser realizados em 7-10 dias após um período menstrual em falta.

Se os testes de gravidez na urina não estiverem disponíveis, a gravidez pode ser assumida com base na mulher que tem sintomas de gravidez, tais como falta de um período menstrual, sensibilidade mamária, náuseas e fadiga.

Uma vez estabelecida a gravidez, estimar a duração da gravidez, também conhecida como idade gestacional.

As gestações são datadas em semanas a partir do primeiro dia do último período menstrual, e não a partir da fertilização, como algumas pessoas pensam.

A fim de fornecer informações precisas e doses correctas de medicamentos, é importante determinar se a idade gestacional é:

  • Menos de 13 semanas
  • Entre 13 e 22 semanas.

Questione a mulher sobre o primeiro dia de sangramento durante o seu último período menstrual e calcule o número de semanas do último período menstrual até o dia atual, usando um calendário.

Esta é a idade gestacional.

Pesquisas em diversos ambientes mostraram que o uso do último período menstrual para estimar a idade gestacional é precisa e aceitável.

Profissionais de saúde treinados também podem estimar a idade gestacional apalpando o abdómen e sentindo onde o topo do útero se encontra.

  • Em cerca de 12 semanas, o útero pode ser sentido logo após a sínfise púbica (parte da frente do osso púbico).
  • Em cerca de 20 semanas, o útero deve estar perto do umbigo (umbigo).

Se a idade gestacional não é clara com base no último período menstrual e/ou palpação abdominal, então ele pode ser avaliado por meio de exame pélvico ou ultra-som realizado por profissionais de saúde treinados.

O ultra-som de rotina não é necessário antes de fornecer a medicação abortiva.

O ultra-som pode limitar o acesso ao aborto e reduzir a confidencialidade – especialmente em ambientes humanitários.

Além disso, o ultra-som de rotina não aumenta a segurança ou melhora os resultados.

Como a medicação do aborto é seguro e eficaz ao longo de várias idades gestacionais, pequenas diferenças de uma a duas semanas não afectam significativamente os resultados clínicos.

Tenha em mente que o ultra-som também é menos preciso a medida em que a idade gestacional aumenta.

2.2) Avaliação da elegibilidade

Quase todas podem fazer um aborto medicinal com segurança, incluindo:

  • Mulheres jovens
  • Mulheres sem filhos
  • Mulheres com VIH.
  • Mulheres amamentando
  • Mulheres com parto cesáreo anterior
  • Mulheres abaixo ou acima do peso
  • Mulheres com condições crónicas estáveis, tais como diabetes, pressão arterial elevada ou asma

Há poucas contra-indicações para um aborto medicinal.

Na maioria dos casos, fazer à mulher algumas perguntas simples é o suficiente para garantir que ela pode prosseguir com segurança com um aborto medicamentoso.

Testes laboratoriais de rotina não são necessários antes de fornecer um aborto com pílulas.

Você pode começar a questionar à mulher: "você tem outros problemas de saúde?”

Se ela relatar uma das seguintes condições, uma avaliação adicional ou um ajuste no processo de aborto podem ser necessários:

Porfiria hereditária, insuficiência adrenal crónica ou asma grave não controlada

Essas são condições raras contra-indicadas da mifepristone.

As mulheres com uma dessas situações, devem receber a administração apenas de misoprostol ou MVA.

Não há necessidade em realizar testes específicos de sangue ou mapeamento para excluir estas condições antes de fornecer um medicamento abortivo.

Normalmente uma mulher sabe se tem alguma dessas condições médicas.

Sangramento vaginal Irregular e/ou dor abdominal unilateral

Esses são sinais de uma possível gravidez ectópica, uma condição incomum onde a gravidez se desenvolve fora do útero.

Embora pouco frequente, se uma gravidez ectópica se romper, pode ser fatal.

As mulheres com esses sintomas durante a gestação, devem ser avaliadas por uma profissional de saúde para confirmar a localização do feto (por exemplo, por exame físico ou ultra-som) antes de serem submetidas a um aborto medicinal.

No entanto, se uma mulher com uma gravidez ectópica previamente não reconhecida, tomar pílulas de aborto, os comprimidos não irão prejudicá-la ou causar a ruptura da gravidez ectópica.

Distúrbio hemorrágico ou anemia grave.

Mulheres com essas condições, podem realizar um aborto medicinal, mas os riscos podem ser maiores que o normal.

Estas mulheres podem precisar de um acompanhamento ou apoio mais próximo durante o processo de aborto.

Mais uma vez, não há necessidade de fazer análises ao sangue para excluir essas condições antes de fornecer um aborto medicamentoso.

Histórico de dois ou mais partos cesarianos

Se uma mulher teve dois ou mais partos cesarianos e ela está entre 13 e 22 semanas de gravidez, ela pode ter maior chance de complicações com o aborto medicinal.

Portanto, uma dose reduzida de misoprostol é recomendado, e será discutida mais detalhadamente ao longo do curso.

Mulheres que tiveram dois ou mais partos cesarianos, mas estão com menos de 13 semanas de gravidez, podem tomar a dose normal de misoprostol.

Se ela tiver um DIU

O DIU deve ser removido antes de tomar os comprimidos para o aborto.

2.3) Consentimento Informado

Informe a mulher dos riscos e benefícios da medicação abortiva e certifique-se de que ela voluntariamente dá seu consentimento.

O consentimento informado é um processo, não um único acto.

Verifique com ela durante a consulta e esteja atento a sugestões verbais e não-verbais.

Se ela for acompanhada por um parceiro ou membro da família, fale com ela em privado para garantir que não há coerção.

2.4) Elaboração de um plano

Embora o aborto medicinal seja relativamente simples e envolva riscos muito baixos, é uma boa ideia fazer um plano antes do tempo.

Antes de um aborto, uma mulher deve pensar e decidir:

  • Se ela gostaria que alguém estivesse com ela durante o aborto.

Muitas mulheres acham útil pedir a um parceiro, amigo próximo ou membro da família, um apoio emocional e ajuda no caso de houver uma complicação.

Para algumas mulheres, informar a um parceiro ou membro da família, pode resultar em violência, isolamento ou impedimento de cuidados. Então, depende dela.

  • Onde realizar o aborto. Ela vai precisar de um lugar seguro, confortável e privado, enquanto ela experienciar sangramento e cólicas.

Este local pode ser sua casa, ou a casa de um amigo ou membro da família, ou também de alguém em quem ela confie.

Se ela preferir, ela também pode realizar o aborto em um centro de saúde ou abrigo.

  • Quando é a melhor hora ou dia para o aborto? Quando ela estiver livre do trabalho, escola ou outras obrigações onde poderá cuidar de si mesma.
  • Quais suprimentos ela pode querer para torná-la mais confortável, como almofadas menstruais ou uma bolsa de água quente para seu conforto.

Ela também pode querer preparar comida e lanches leves antes do momento.

  • Onde é o centro de saúde mais próximo e como chegar lá (por exemplo, de carro, motocicleta, táxi), se isso for necessário.

Nota: Se uma mulher procura cuidados médicos, ela não tem que dizer que usou pílulas para causar um aborto.

Ela pode simplesmente dizer que está tendo um aborto espontâneo, e ela deve receber os cuidados adequados.

Os sintomas do aborto medicinal são muito semelhantes a um aborto espontâneo e não há como dizer a diferença.

Em ambientes humanitários, as mulheres podem precisar de apoio adicional, preparando-se para abortos medicamentosos.

Por exemplo, as mulheres que vivem em campos de refugiados podem não ter acesso a almofadas menstruais ou latrinas adequadas.

Podem também ter necessidades de protecção adicionais.

Fale com ela sobre a sua situação e forneça o apoio necessário e/ou consulte outros serviços, conforme apropriado.

Lição 3: Aborto medicamentoso antes de 13 semanas

Lição 3: Aborto medicamentoso antes de 13 semanas



3.1) Decidir qual método administrar

Há duas opções para fornecer um aborto com comprimidos:

Opção 1: Combinação de dois fármacos: mifepristone e misoprostol

Opção 2:Utilizar apenas doses repetidas de misoprostol

Mifepristone e Misoprostol

Altamente eficaz com taxas de sucesso acima de 95%

O risco de continuação da gravidez é muito baixo (<1 %)

Muito baixo risco de complicações graves (<1%)

Apenas o Misoprostol

3.2) Como utilizar os comprimidos de aborto antes de 13 semanas: Mifepristone + Misoprostol

Dê um comprimido de mifepristone 200 mg e oito comprimidos de misoprostol 200mcg com as seguintes instruções sobre como os tomar.

Ao administrar os comprimidos, não os retire da embalagem, uma vez que os torna menos eficazes.

Passo 1: Engula um comprimido de mifepristone (200 mg) com água.

Algumas mulheres podem experimentar sangramento leve após tomar mifepristone.

No entanto, a maioria das mulheres não sentem quaisquer efeitos após tomar mifepristone, o que é normal.

Não significa que a pílula não funcionou.

Algumas mulheres podem sentir náuseas após tomar mifepristone.

  • Se ela vomitar uma hora depois de engolir o comprimido de mifepristone, é pouco provável que funcione e ela deve retornar para outra dose.
  • Se ela vomitar mais de uma hora depois de engolir o comprimido de mifepristone, não precisa de repetir a dose.

Passo 2: Esperar 1-2 dias.

Enquanto ela espera, ela pode fazer as coisas que ela normalmente faz em sua vida quotidiana, como cuidar da família ou ir para o trabalho ou escola.

Passo 3: No dia do aborto, coloque 4 pílulas de misoprostol (200mcg cada) directamente sob sua língua e mantenha-as lá enquanto se dissolvem por 30 minutos.

Não coma nem beba durante estes 30 minutos.

Engolir qualquer saliva adicional que se forme e não cuspir nada.

Depois de 30 minutos, lavar a boca com água e beber tudo o que restar dos comprimidos.

O processo de aborto deve começar dentro de 1-4 horas.

Tomar o misoprostol mesmo que tenha tido sangramento e cólicas após tomar a mifepristone no dia 1.

Passo 4: Se o processo de aborto não estiver completo após 1-2 dias, tome os 4 comprimidos restantes do misoprostol (200mcg cada) como no Passo 3.

O Misoprostol funciona com efeitos semelhantes, quer seja tomado em menos de 12 horas, ou em 72 horas após a mifepristona.

Em algumas situações, tomar o mifepristone e a primeira dose de misoprostol juntos também pode ser uma estratégia útil.

Também é possível tomar pílulas de misoprostol vaginalmente, inserindo as pílulas na vagina até o máximo que conseguir e esperar por 30 minutos.

As mulheres que utilizam a via vaginal devem ser informadas de que os pedaços dos comprimidos podem permanecer na vagina durante várias horas ou até mesmo dias.

Se houver uma complicação e a mulher procurar cuidados médicos, estes fragmentos de comprimidos poderão sugerir à um profissional de saúde, que a mulher induziu seu aborto.

Isso pode ser evitado usando a via sublingual (sob a língua).

É importante escolher uma via e usar essa única, e não dividir as pílulas entre diferentes vias.

Como utilizar os comprimidos de aborto antes de 13 semanas: Apenas o Misoprostol

Administrar 12 comprimidos de misoprostol 200mcg com as seguintes instruções.

Ao administrar os comprimidos, não os retire da embalagem, uma vez que os torna menos eficazes.

Passo 1: TNo dia do aborto, coloque 4 pílulas de misoprostol (200mcg cada) directamente sob sua língua e mantenha-as lá enquanto se dissolvem por 30 minutos.

Não coma nem beba durante estes 30 minutos.

Engulair qualquer saliva adicional que se forme e não cuspir nada.

Depois de 30 minutos, lavar a boca com água e beber tudo o que restar dos comprimidos.

Passo 2: Aguardar 3 horas.

Passo 3: Após 3 horas, mesmo que tenha começado as cólicas ou sangramento, tomar mais 4 comprimidos colocando-os sob a língua, como descrito no Passo 1.

Passo 4: Aguardar mais 3 horas.

Passo 5: Depois de mais 3 horas (ou seja, 6 horas após tomar o primeiro misoprostol), tome os últimos 4 comprimidos conforme descrito no Passo 1.

Certificar que tomou os 12 comprimidos do misoprostol, mesmo que esteja com cólicas e com sangramento, pense que a gravidez começou a se interromper.

Nota: A via vaginal também é possível para o método do misoprostol, como explicado anteriormente.

3.4) O que esperar

Ser informada sobre o que esperar durante uma medicação abortiva, vai ajudar a preparar a mulher para o processo e também vai ajudá-la a distinguir o que é normal do que é anormal, para que ela saiba quando procurar cuidados médicos.

Sangramento

A maioria das mulheres terá sangramento dentro de 1-3 horas após tomar misoprostol.

O sangramento é geralmente mais intenso do que um período menstrual e muitas vezes acompanhado por coágulos de sangue.

O sangramento mais intenso ocorre normalmente em 4 a 6 horas após tomar misoprostol e geralmente abranda em 24 horas.

Embora esse seja o padrão de sangramento mais típico, cada mulher é diferente e pode ter uma experiência diferente.

Algumas mulheres podem sangrar mais ou menos do que isso, e isso também é normal.

As mulheres provavelmente sofrerão mais sangramentos ao longo da gravidez.

Algumas mulheres podem gerar coágulos em dias ou mesmo semanas depois.

Isso é comum e não é perigoso, desde que não haja sintomas de complicação.

Se não houver sangramento ou apenas sangramento moderado após 72 horas, é provável que o aborto não funcionou.

Cólicas

O medicamento abortivo causa cólicas leves a muito fortes durante e após o processo.

A cólica é o sinal de que o útero está se contraindo e que a medicação está funcionando.

As cólicas são geralmente fortes durante 4 a 8 horas após tomar misoprostol.

As cólicas mais amenas podem continuar por vários dias.

Os analgésicos podem e devem ser tomados imediatamente após a primeira dose de misoprostol.

O ibuprofeno é o analgésico mais eficaz e não tem qualquer influência no aborto ou na quantidade de sangramento.

Uma administração permitida para o ibuprofeno é de 800 mg por via oral (ingestão) de 8 em 8 horas, durante 3 dias.

Paracetamol, aspirina e buscopan são menos eficazes e não úteis.

É importante tratar a dor o mais cedo possível – ela não deve esperar até que a dor seja insuportável para tomar os analgésicos.

Há várias outras coisas que as mulheres podem fazer para aliviar a dor durante um aborto medicinal, incluindo:

  • Utilizar uma bolsa de água quente ou uma almofada térmica na barriga
  • Sentar ou deitar em um ambiente confortável
  • Ouvir música ou ver vídeos
  • Receber apoio de amigos ou familiares

O que ela pode ver

Dependendo da idade gestacional, a mulher pode não observar qualquer forma reconhecível (até 7 semanas) ou pode presenciar um embrião de até 2 cm (9 semanas de gestação).

As mulheres podem optar por não olhar para o penso higiénico, mas embrulhá-lo e descartá-lo como fariam durante um período menstrual.

Durante a eliminação, é possível que um pequeno traço branco, que pode parecer com um pequeno pedaço de esponja seja visto, o que é provavelmente o saco gestacional.

Efeitos secundários frequentes

Febre, calafrios, tonturas, dores de cabeça, náuseas, vómitos e diarreia são todos efeitos secundários comuns do misoprostol.

Esses efeitos secundários geralmente duram algumas horas e depois desaparecem sozinhos em 24 horas.

Ela pode reduzir esses sintomas bebendo muita água antes e durante o aborto, comendo alimentos secos leves regularmente, e se deitar em um lugar confortável.

As mulheres com vómitos graves podem receber medicamentos anti-náuseas como metaclopromida.

Duração do aborto

O feto é geralmente expelido dentro de 24 horas após tomar os últimos comprimidos do misoprostol.

No entanto, todo o processo de aborto pode continuar nos dias seguintes com a maioria das mulheres, completando o processo de aborto em 1-2 semanas.

Enquanto a mulher estiver expelindo o feto, sem sentir nenhum sinal de aviso e experimentar uma diminuição ou ausência dos sintomas da gravidez, não há mais nada que necessite ser feito.

Algumas mulheres podem até ter sangramento leve ou manchas por até 1 mês.

3.5) Quando procurar cuidados médicos

Como mencionado anteriormente, o aborto medicinal é muito seguro, e as principais complicações são raras.

No entanto, é importante que as mulheres sejam informadas dos sinais de potenciais complicações, para que possam procurar cuidados de saúde adicionais se necessário.

Uma mulher deve ir à uma clínica ambulatória ou outro centro de saúde dentro de um dia ou mais, se ela tiver um dos seguintes sintomas:

  • Febre ou outros efeitos secundários durante mais de 24 horas
  • Pouco ou nenhum sangramento em todas as 72 horas depois de tomado todos os comprimidos para o aborto
  • Hemorragia e cólicas intensas que não diminuem após 7 dias
  • Sintomas de gravidez que não desaparecem (ela ainda se sente grávida)

Esses são sintomas de possíveis resultados indesejáveis ou complicações que um profissional de saúde deve avaliar, mas normalmente não são emergências ou risco de vida.

Ela pode esperar até o dia seguinte para receber cuidados.

Uma mulher deve procurar imediatamente cuidados médicos de emergência se sentir algum dos seguintes sinais de aviso:

  • Sangramento excessivo: embeber mais de dois pensos higiénicos por hora durante duas horas seguidas, especialmente se acompanhado de tonturas, vertigens, ou fadiga
  • Dor abdominal grave, febre ou sentir mal estar durante mais de 1 dia
  • Corrimento vaginal incomum ou com mau cheiro

Esses são sinais de complicações que podem ser fatais.

Ela deve ir imediatamente para um centro de saúde o mais rápido possível.

Em muitos casos, um prestador de cuidados de saúde treinado pode resolver o problema com uma intervenção limitada.

Em casos muito raros, as mulheres podem requerer hospitalização, intervenção cirúrgica adicional, transfusão de sangue ou outros cuidados avançados.

É importante assegurar-lhe que, se ela procurar cuidados médicos, ela não tem que dizer que ela usou pílulas para causar um aborto se ela não quiser.

Ela pode simplesmente dizer que está tendo um aborto espontâneo, e ela deve receber os cuidados adequados.

O manejo de complicações relacionadas ao aborto espontâneo é o mesmo que o manejo de complicações relacionadas ao aborto medicinal.

Lição 4: Aborto medicinal entre 13 e 22 semanas

Lição 4: Aborto medicinal entre 13 e 22 semanas



Enquanto os abortos em ou após 13 semanas compõem uma minoria (10-15%) do total de abortos em todo o mundo, eles são responsáveis pela maioria das complicações graves do aborto inseguro.

As mulheres que se apresentam para abortos após 13 semanas são mais propensas a serem meninas jovens, vítimas de violência sexual, ter detectado sua gravidez mais tarde e/ou ter barreiras financeiras ou logísticas aos cuidados.

Por conseguinte, estas mulheres e raparigas são desproporcionadamente mal servidas e vulneráveis, e é importante que os profissionais de ajuda humanitária prestem os cuidados de que necessitam.


4.1) Preparação e organização

Enquanto os abortos medicamentosos em menos de 13 semanas podem ser fornecidos quase em qualquer lugar e com muito pouco recurso, o fornecimento de medicamento abortiva entre 13 e 22 semanas requer mais planejamento e organização.

Fornecimento de medicamento abortivo entre 13 e 22 semanas é muito eficaz e mais seguro, com uma taxa de complicação menor que 1%.

Mas também é mais complicado: por exemplo, normalmente levará mais tempo, o sangramento pode ser mais pesado e o feto expelido será maior e mais reconhecível como um feto.

Preparar-se para estes aspectos com antecedência ajudará a garantir o fornecimento bem-sucedido de aborto medicamentoso entre 13 e 22 semanas.

Recomenda-se que as mulheres que fazem abortos medicamentosos entre 13 e 22 semanas façam o aborto em uma unidade de saúde.

A unidade de saúde deve ser aberta e dotada de profissionais especializados em cuidados de saúde 24 horas por dia e deve dispor de medidas adequadas de higiene, prevenção de infecções e controle.

No entanto, isso nem sempre é viável, especialmente em contextos humanitários.

Nesse caso, os princípios orientadores devem ser: cuidados centrados na mulher e redução de danos.

Isso significa que o foco está em ajudar a mulher a evitar um aborto inseguro e a ser o mais seguro e saudável possível, dadas as restrições da situação.

Por exemplo, se uma unidade de saúde só estiver aberta e com pessoal durante o dia, o horário das drogas abortivas podem ser ajustadas para aumentar a chance de a expulsão acontecer durante o dia.

As mulheres submetidas à abortos medicamentosos dentro de/após 13 semanas fora de uma unidade de saúde ou em casa, devem entender o que se esperar e ter um plano claro em vigor, especialmente para procurar cuidados médicos de emergência, se necessário.

4.2) Decidir qual método administrar

Os mesmos métodos de medicação – combinação de mifepristone e misoprostol ou misoprostol apenas - funcionam para abortos entre 13 e 22 semanas também.

No entanto, entre 13 e 22 semanas, o mifepristone tem um impacto ainda maior no aumento da eficácia de um aborto medicinal, razão pela qual deve ser utilizado sempre que possível.

4.3) Como administrar pílulas de aborto entre 13 e 22 semanas: Mifepristone + Misoprostol

Dê as pílulas abortivas em sua embalagem, com as seguintes instruções sobre como tomá-las:

Passo 1: Engula um comprimido de mifepristone (200 mg) com água.

Algumas mulheres podem experimentar sangramento leve após tomar mifepristone.

No entanto, a maioria das mulheres não sentem quaisquer efeitos após tomar mifepristone, o que é normal. Não significa que a pílula não funcionou.

Algumas mulheres podem sentir náuseas após tomar mifepristone.

  • Se ela vomitar uma hora depois de engolir o comprimido de mifepristone, é pouco provável que funcione e ela deve retornar para outra dose.
  • Se ela vomitar mais de uma hora depois de engolir o comprimido de mifepristone, não precisa de repetir a dose.

Passo 2: Enquanto ela espera, ela pode fazer as coisas que ela normalmente faz em sua vida quotidiana, como cuidar da família ou ir para o trabalho ou escola.

Enquanto ela espera, ela pode fazer as coisas que ela normalmente faz em sua vida quotidiana, como cuidar da família ou ir para o trabalho ou escola.

Passo 3: Passo 3:

Não coma nem beba durante estes 30 minutos.

Engulir qualquer saliva que seja formada e não cuspir nada.

Depois de 30 minutos, lavar a boca com água e beber tudo o que restar dos comprimidos.

Nota: A dose de misoprostol para abortos medicamentosos entre 13 e 22 semanas é menor do que a dose para abortos medicamentosos antes de 13 semanas.

Isso porque a medida em que a idade gestacional aumenta, o útero é maior e mais sensível ao misoprostol, então, uma dose mais baixa é necessária para ter o mesmo efeito e evitar complicações.

Passo 4: Aguardar 3 horas.

Passo 5: Tomar mais 2 comprimidos de misoprostol (200mcg cada) como no Passo 3.

Passo 6: Aguardar 3 horas.

Passo 7: Continuar repetindo os passos 5 e 6 (tomar 2 comprimidos de misoprostol, esperar 3 horas) até que tanto o feto quanto a placenta sejam expelidos.

Não há limite para o número de doses de misoprostol que podem ser tomadas.

Com o método combinado de mifepristone e misoprostol entre 13 e 22 semanas, em média, serão necessárias 3 a 4 doses de misoprostol.

Mas algumas mulheres vão precisar de mais.

Evitar pausas ou atrasos nas doses de misoprostol, pois isso irá aumentar o tempo que leva.

A maioria das mulheres completará o aborto em 24 horas.

Nota: O tempo entre a mifepristone e o misoprostol é mais importante para o aborto medicinal entre 13 e 22 semanas.

Para aumentar a eficácia, tente garantir que pelo menos 24 horas passam entre a mifepristone e a primeira dose de misoprostol.

Como em abortos medicamentosos antes de 13 semanas, também é possível tomar pílulas de misoprostol vaginalmente.

Essa via pode ser ainda mais eficaz do que a via sublingual para gestações entre 13 e 22 semanas.

É importante escolher uma via e usar essa única, e não dividir as pílulas entre diferentes vias.

Mais uma vez, se a via vaginal for usada, fragmentos de comprimidos podem permanecer na vagina.

As mulheres que tiveram partos cesarianos no passado têm um ligeiro aumento de risco de ruptura uterina, que é uma condição onde a parede do útero se rompe e abre.

Embora o risco de ruptura uterina seja muito baixo, se acontecer, pode ser fatal.

Portanto, as mulheres que tiveram mais dois partos cesarianos e serão submetidas ao aborto medicamentoso entre 13 e 22 semanas, devem tomar uma dose reduzida de misoprostol: apenas 1 pílula (200mcg) a cada 3 horas.

Mulheres que tiveram apenas um parto cesariano e estão a fazer um aborto medicinal entre 13 e 22 semanas podem tomar a dose normal de misoprostol: 2 comprimidos (400mcg) a cada 3 horas.

4.4) Como usar comprimidos de aborto entre 13 e 22 semanas: Apenas o Misoprostol

Dê as pílulas abortivas em sua embalagem, com as seguintes instruções sobre como tomá-las:

Passo 1: No dia do aborto, coloque 2 pílulas de misoprostol (200mcg cada) directamente sob a língua e mantenha-as lá enquanto se dissolvem por 30 minutos.

Não coma nem beba durante estes 30 minutos.

Engulir qualquer saliva que seja formada e não cuspir nada.

Depois de 30 minutos, lavar a boca com água e beber tudo o que restar dos comprimidos.

Passo 2: Aguardar 3 horas.

Passo 3: Tomar mais 2 comprimidos de misoprostol (200mcg cada) como no Passo 1.

Passo 4: Aguardar 3 horas.

Passo 5: Continue repetindo os passos 3 e 4 (tome 2 comprimidos de misoprostol, esperar 3 horas) até que tanto o feto quanto a placenta sejam expelidos.

Não há um máximo para o número de doses de misoprostol que podem ser tomados.

Com a administração apenas de misoprostol entre 13 e 22 semanas, em média, serão necessárias 5 a 6 doses de misoprostol.

Mas algumas mulheres vão precisar de mais.

Evitar pausas ou atrasos nas doses de misoprostol, pois isso irá aumentar o tempo que leva.

A maioria das mulheres completará o aborto em 24 horas.

Novamente, o misoprostol também pode ser tomado vaginalmente como explicado anteriormente.

Portanto, as mulheres que tiveram mais dois partos cesarianos e serão submetidas ao aborto medicamentoso entre 13 e 22 semanas, devem tomar uma dose reduzida de misoprostol: apenas 1 pílula (200mcg) a cada 3 horas.

4.5) O que esperar

Sangramento e cólicas

Assim como com os abortos medicamentoso antes de 13 semanas, os principais sintomas esperados de um aborto medicamentoso entre 13 e 22 semanas são sangramento e cólicas.

No entanto, entre 13 e 22 semanas, haverá provavelmente mais sangramento e cólicas do que um período menstrual intenso.

Além do ibuprofeno, outros analgésicos como codeína e tramadol, podem ser necessários.

Pode também levar mais tempo e mais doses de misoprostol antes do início das cólicas e hemorragias.

Efeitos secundários frequentes

Febre, calafrios, dor de cabeça, náuseas, vómitos e diarreia são todos efeitos secundários comuns do misoprostol.

Esses efeitos secundários geralmente duram algumas horas e depois desaparecem sozinhos em 24 horas.

As mulheres com vómitos graves podem receber medicamentos anti-náuseas como metaclopromida.

Duração do aborto

Quando se utiliza a combinação de mifepristona e misoprostol, o tempo médio de eliminação é de cerca de 6 a 10 horas da primeira dose de misoprostol.

Estudos mostram que 94% das mulheres terminarão a eliminação em 24 horas e 97% das mulheres terminarão a eliminação em 48 horas.

Quando a opção de utilização é apenas de misoprostol, o tempo médio de eliminação é de cerca de 10 a 15 horas da primeira dose de misoprostol.

Estudos mostram que 80-85% das mulheres completarão a eliminação em 24 horas e até 90% das mulheres completarão a eliminação em 48 horas.

Nos dois métodos, é possível um amplo intervalo de vezes.

Algumas mulheres precisarão de muito mais tempo, mesmo vários dias, para completar o aborto.

As mulheres que não estiveram grávidas antes, as mulheres com mais idade e as mulheres com gravidez de idade gestacional superior, têm maior probabilidade de necessitar de mais tempo.

Raramente uma mulher não elimina em 48 horas e pode precisar de mais doses de misoprostol para completar o aborto com sucesso.

As chaves para reduzir o tempo necessário para completar o aborto são usar o método combinado (mifepristone + misoprostol) e não parar ou interromper as doses de misoprostol.

Enquanto não houver sinais de aviso, ela pode continuar a tomar doses de misoprostol a cada 3 horas.

Gerenciando a eliminação

À medida em que a mulher continua a tomar misoprostol, as cólicas vão começar e aumentar gradualmente.

Cólicas significam que o útero está se contraindo e trabalhando para abrir o colo do útero e empurrar para fora o feto.

Com o tempo, as contracções se tornarão fortes o suficiente e o colo do útero se abrirá o suficiente para que o feto e a placenta sejam eliminados.

Não há necessidade de examinar o colo do útero ou vagina para monitorar o progresso.

Entre 13 e 22 semanas de gestação, o feto é maior, mais desenvolvido e mais reconhecível como um feto e placenta.

Muitas vezes, o feto e a placenta saem ao mesmo tempo.

Se o feto sair sem a placenta, não puxe o cordão.

A placenta deve sair espontaneamente dentro de algumas horas.

Enquanto a mulher estiver estável e o sangramento for mínimo, ela pode continuar a tomar misoprostol 400mcg a cada 3 horas.

No caso, raro, de ter passado 4 horas e a placenta não ter saído, pode ser necessário removê-la por um profissional de saúde treinado, utilizando torquer ou MVA.

Não há necessidade de medicação de rotina para evitar mais sangramento, ou qualquer intervenção de rotina ou ultra-som.

Depois da eliminação

Dependendo dos desejos da mulher, o feto pode ser embrulhado para ela segurar, ou embrulhado e mantido fora de vista e removido.

O feto pode demonstrar alguns sinais transitórios associados à vida como respiração, grunhidos ou movimentos espontâneos.

Estes sinais geralmente desaparecem após alguns minutos, mas pode ser perturbador para aqueles que estão presentes.

Esta possibilidade deve ser discutida com as mulheres, as famílias e a equipe antes da hora, para que eles possam ser preparados e os arranjos apropriados podem ser feitos para minimizar a angústia e respeitar seus desejos.

O feto e a placenta devem ser manuseados com respeito e de acordo com as normas de prevenção e controle de infecções.

Em ambientes de baixo recurso, o feto e a placenta podem ser colocados em um poço de placenta devidamente construído e mantido nele, ou incinerados.

As unidades de saúde que realizam partos vaginais já deveriam dispor de sistemas de gestão de resíduos necessários, incluindo um poço de placenta.

Se estiver disponível papel de esterilização ou outro tecido biodegradável, o feto pode ser embrulhado neste material após a eliminação antes de ser colocado num poço de placenta.

Raramente, uma mulher pode querer levar o feto para casa e enterrá-lo.

Nesse caso, os seus desejos devem ser respeitados.

No entanto, os profissionais de saúde não devem forçar as mulheres a levar o feto para casa se ela não quiser.

Não há nenhuma quantidade obrigatória de tempo que uma mulher necessite, para ficar na unidade de saúde após um aborto medicamentoso descomplicado entre 13 e 22 semanas.

Tipicamente, 1-2 horas são suficientes para garantir que ela está estável e que há sangramento mínimo.

4.6) Complicações

Como mencionado anteriormente, o aborto medicinal é muito seguro, e as principais complicações são raras.

Mas as complicações ocorrem com mais frequência e seriedade do que durante os abortos em gestações anteriores.

A maioria das complicações geralmente podem ser tratadas de forma eficaz com cuidados de emergência imediato, seja no local ou por meio de transferência para uma unidade de saúde de nível superior.

Possíveis complicações graves incluem hemorragia (sangramento grave) e infecção.

O manejo dessas complicações é muito semelhante ao manejo das mesmas complicações quando ocorrem após um parto vaginal.

Em muitos casos, um profissional de saúde treinado pode resolver o problema com uma intervenção limitada.

Em casos muito raros, as mulheres podem requerer hospitalização, intervenção cirúrgica adicional, transfusão de sangue ou outros cuidados avançados.

Um plano deve estar em vigor sobre como essas complicações serão gerenciadas se ocorrerem e como, quando e onde uma mulher será transferida, se necessário.

Lição 5: Após o aborto

Lição 5: Após o aborto



5.1) Acompanhamento

As mulheres que sofrem de abortos medicamentosos geralmente não precisam de uma visita de acompanhamento de rotina com um profissional de saúde.

Desde que ela não se sinta mais grávida, mas se sinta com boa saúde e sangramento leve, então, provavelmente tudo está bem.

As mulheres devem ser informadas de que podem visitar um profissional de saúde a qualquer momento se não se sentirem bem ou se tiverem outras questões ou preocupações.

Os testes de gravidez na urina podem ser positivos até 3-4 semanas após um aborto bem-sucedido.

O ultra-som de acompanhamento de rotina não é necessário e pode levar a intervenções desnecessárias.

5.2) Contracepção no dia do aborto

Uma mulher pode engravidar novamente 8 dias após um aborto.

Por conseguinte, é importante abordar a contracepção ao prestar os serviços de cuidados abortivos.

Comece questionando se ela gostaria de falar sobre contracepção hoje.

Algumas mulheres podem querer falar sobre contracepção e escolhem e começam um método no mesmo dia.

Nesse caso, discuta suas opções e forneça o método que ela escolher naquele dia, se é isso que ela deseja.

Implantes e injecções podem ser fornecidos nessa mesma visita, mesmo antes dos comprimidos para o aborto terem sido tomados.

Se ela quiser pílulas contraceptivas orais, dê-lhe pelo menos um fornecimento de 3 meses e informe-a que ela pode começar a tomar as pílulas no dia seguinte que o aborto estiver completo.

DIUs e ligações tubárias podem ser fornecidas após 1-2 semanas, uma vez que a medicação abortiva estiver completa.

Estudos mostram que algumas mulheres preferem pensar mais sobre isso e retornar mais tarde, ou elas podem não querer discutir contracepção por todo aquele dia, o que também é bom.

Deixe-a saber que ela pode voltar para a clínica a qualquer momento para discutir ou iniciar a contracepção.

Os provedores de aborto não devem pressionar as mulheres a iniciarem um método contraceptivo no dia do aborto.

5.3) Saúde mental após o aborto

Milhões de mulheres em todo o mundo abortam e depois não têm problemas psicológicos.

Estudos mostram que a emoção mais comummente relatada após um aborto é alívio.

Nas primeiras semanas após o aborto, uma mulher pode ter muitas emoções diferentes, incluindo alívio, tristeza ou felicidade.

A maioria das mulheres podem lidar com esses sentimentos, especialmente com o apoio de amigos e família.

Algumas mulheres podem ter mais dificuldades em lidar com isso e podem se beneficiar em falar com um profissional de saúde treinado ou um profissional de saúde mental.

A consulta de rotina com um profissional de saúde mental não é necessária.

Estudos mostram que a maioria das mulheres não tem sentimentos negativos duradouros ou de longo prazo após um aborto.

5.4) Regresso às actividades de rotina

A maioria das mulheres volta ao trabalho ou à escola no dia seguinte ao aborto.

No entanto, o corpo de cada mulher é diferente.

Uma mulher devia ouvir o seu corpo.

Se ela faz muito trabalho físico e pesado, ou apenas se sente mais cansada que o normal, ela pode precisar de mais de um dia de distância do trabalho.

Durante os dois primeiros dias após um aborto medicinal, as mulheres são aconselhadas a não tomar banho, nadar, usar tampões, ou ter relações sexuais.

Essas são medidas de precaução padrão para evitar uma possível infecção, mas não existem provas conclusivas que sustentam isso.

As mulheres podem tomar banho a qualquer momento.

A maioria das mulheres terá seu próximo período menstrual após 4-6 semanas, mas para algumas mulheres, pode demorar mais.

No primeiro período menstrual após a medicação, o aborto também pode ser ligeiramente mais intenso do que o normal.